6 passos para transformar ideias em resultados

Ideias não valem nada, a menos que sejam colocadas em prática e gerem resultados!

Neste post você vai aprender como fazer isso através de um processo simples e prático.

Você conhece o Chris Rock? Aqui no Brasil ele ficou famoso pelo seriado “Todo Mundo Odeia o Chris”. Ele é um dos comediantes mais populares e conhecidos no mundo, e de acordo com a Forbes, uma das 50 celebridades mais bem pagas.

Ou seja, ele sabe como transformar as ideias dele em resultados, ou sucesso, como você preferir.

E sabe como ele faz isso? Ele adota essa mesma abordagem simples que você vai conhecer agora.

Para fazer isso não vamos falar de Canvas, Proposta de valor, MVP, Personas ou outras técnicas e abordagens que têm tudo a ver com isso e funcionam muito bem.

Você vai aprender a abordagem que a XperienZ adota (e funciona muito bem para nós) e que ensinamos para os nossos clientes (e funciona muito bem) para transformar ideias em produtos ou serviços que dão resultado!

Nós mesmos aqui na XperienZ já tivemos centenas de ideias. A maioria ficou só na ideia. E depois de algum tempo alguém foi lá e fez! E nessas horas a gente olhava para a “nossa ideia” sendo copiada por outra pessoa! É claro que não. O que acontece é que outra pessoa teve a mesma ideia! Sim, isso acontece com muita frequência! Só que além de ter a mesma ideia, essa outra pessoa foi lá e colocou essa ideia em prática! E é isso que tem valor.

Ou seja, ideias não valem nada! A menos que se transformem em alguma coisa concreta. E tenham aceitação do público.

Então vamos ao processo simples de 6 passos.

PRIMEIRO

O primeiro passo é conseguir ter uma ideia. E que seja uma ideia boa, de preferência!

Se bem que isso é meio relativo né?

Como você vai saber se a sua ideia é boa? A sua opinião apenas não basta, certo?

Vamos ver dois exemplos de ideias.

EXEMPLO 1

“Eu vou desenvolver um app que vai fazer com que as pessoas não peguem mais transito, fila ou fiquem esperando sem necessidade. Elas também vão saber os horários dos ônibus e voos e vão conseguir chegar na hora nos seus compromissos sem passar nervoso ou se preocupar em mandar mensagens para avisar que estão atrasadas e vão economizar dinheiro e poder chamar taxi ou um Uber.”

Ufa, dá trabalho até para entender, não é mesmo?

Agora vamos ao segundo exemplo

EXEMPLO 2

“Vou fazer um app para que as pessoas possam doar remédios ou alimentos que não serão utilizados e estejam com prazo de validade próximo ao vencimento, evitando que eles sejam jogados no lixo e atendam outras pessoas que tenham necessidade destes itens.”

Muito bem, agora que você já viu as duas ideias, qual das duas é boa?

Qual ideia é melhor?

Lembre-se, independente da escolha que você fizer, essa é apenas a nossa opinião.

Na verdade, apenas o mercado poderá nos dizer qual ideia é boa e qual não é.

SEGUNDO

Se apenas o mercado nos dirá qual ideia é boa, então é preciso transformar a ideia que você teve em algo que possa ser apresentado a outras pessoas, compartilhado com elas.

Pode ser um protótipo, uma apresentação no PowerPoint, uma imagem, uma página no FaceBook, enfim, qualquer coisa que possibilite às pessoas entenderem do que se trata.

Você precisa transformar a sua ideia em algo concreto, tangível. Só assim as pessoas poderão ver e entender do que se trata a sua ideia.

Só assim as pessoas vão poder dar suas opiniões, sugestões e fazer suas críticas.

TERCEIRO

E chegamos no terceiro passo que é: é superar o medo!

Superar o medo? Sim, é isso mesmo!

Você vai ter que vencer o medo de que a sua grande ideia pode ser copiada ou roubada.

E você também vai ter que vencer o medo de escutar o que você provavelmente não vai gostar de escutar.

Você poderá escutar de tudo, como por exemplo, críticas, opiniões, sugestões, reclamações ou feedback negativo. Independente se você concorda ou não com o que escutar, esse é o exercício: escutar. Não tente argumentar. Apenas ouça atentamente.

Apresente a sua ideia para o maior número possível de pessoas. De preferência com desconhecidos e presencialmente.

Você pode até falar com a sua mãe ou com os seus amigos e conhecidos, mas pode ser que você não escute o que precisa escutar.

E quando você conversar com as pessoas, observe a reação delas. Percebe do que elas gostam. Do que não gostam. Anote o que elas dizem. Seja negativo ou positivo. E se puder, grave essas conversas.

QUARTO

Muito bem, chegamos na metade do processo! Agora é hora de voltar para a prancheta e fazer ajustes, melhorias, alterações e correções.

Se você falou com uma quantidade razoável de pessoas, você provavelmente recebeu várias sugestões que podem transformar a sua ideia inicial.

Avalie todas as informações que você coletou e selecione primeiro aquelas que foram mais citadas. Se muita gente falou as mesmas coisas, é provável que haja alguma oportunidade aí.

Priorize todas as outras sugestões de acordo com os seus critérios. Ou seja, comece com aquelas que você acredita que sejam melhores.

Depois que você evoluiu a sua ideia, volte para o passo anterior e converse com as pessoas novamente.

Repita isso até aperfeiçoar a sua ideia e então avance para o próximo passo.

QUINTO

O quinto passo é mãos à obra!

Chegou a hora de transformar a sua ideia em um produto ou serviço.

Mas tenha muito cuidado nessa hora.

Lembre-se de que você ainda não sabe se a sua ideia é boa ou não. Mesmo tendo conversado com uma quantidade significativa de pessoas, elas não representam todo o mercado. São apenas uma amostragem.

Então, ao invés de fazer tudo (ou muito) de uma vez, faça um lote piloto, uma versão simplificada.

Não aposte tudo logo de cara. Teste o que funciona. Invista pouco. Seja rápido.

Volte para o quarto passo 4 e repita estas etapas até chegar a uma versão mais consistente.

SEXTO

O sexto passo é conseguir clientes, usuários, fãs.

Se a sua ideia é boa e as pessoas precisam dela, se elas gostam da sua solução, da sua abordagem, da forma como você resolve o problema, então certamente elas irão utiliza-la!

Nesta etapa, não se preocupe logo de cara em vender e gerar receita.

Preocupe-se em ter pessoas utilizando o seu produto ou serviço.

Estes primeiros usuários irão te ajudar a validar, testar e evoluir a sua ideia ainda mais.

E não é importante se eles ainda não estão pagando por isso. O que importa é que eles utilizem. E se nem de graça as pessoas quiserem o seu produto ou serviço, então algo deve estar errado. Se este for o caso, volte para os passos anteriores, pois alguma coisa precisa ser refeita.

Mas se você conseguir aceitação, então agora sim você pode começar a vender.

Algumas pessoas fazem essas duas validações ao mesmo tempo. Nós aqui da XperienZ preferimos executar esse passo em duas etapas. Mas vai de cada um.

Quando você tem uma ideia validada e as pessoas estão utilizando-a, então é hora de descobrir “SE” e “QUANTO” elas estão dispostas a pagar por isso.

Para descobrir isso você pode fazer versões ou planos diferentes, com preços e condições diferentes.

Por exemplo, básico, intermediário e avançado, ou então algo como bronze, prata e ouro, e assim por diante.

Simples assim! Estes são os 6 passos para transformar qualquer ideia em resultados.

ATENÇÃO!

Testar, testar, testar 

Como você percebeu, o importante é testar e validar sempre!

Quando falamos de uma ideia, não existe fórmula de sucesso ou receita. Não existe certo ou errado!

Existe o que dá certo e o que dá errado, e aquilo que dá errado pode ser alterado e vir a dar certo.

Ideia ou execução? 

O que é mais importante? A Ideia ou quem executa?

Nós não acreditamos que as boas ideias nascem prontas

Nós acreditamos em pessoas capazes de transformar ideias, mesmo aquelas que nem são tão boas, em resultados.

Quando nós atuamos na avaliação de projetos ou como mentores nós aprendemos que o importante mesmo são as pessoas.

Por isso nós prestamos mais atenção nelas do que nas suas ideias. Observamos o seu comportamento e sua atitude, pois nós acreditamos que é mais fácil melhorar uma ideia ruim do que um profissional ruim.

Quanto tempo leva? 

Quanto tempo você acha que demora para formar um excelente profissional? Um especialista?

Segundo o Malcom Gladwell, no livro Outliers (ou Fora de Serie), algo em torno de 10 mil horas!

De acordo com a nossa experiência, leva muito tempo! E em alguns casos, leva mais tempo ainda.

Mas vamos lá, se pegarmos as 10 mil horas citadas no livro e dividirmos essas horas em dias de trabalho, com 8 horas de duração, teremos 1.250 dias!

E se dividirmos estes 1.250 dias em 12 meses de trabalho com 22 dias úteis cada, chegamos à mais ou menos 5 anos!

O QUE O CHRIS ROCK FAZ?

Lembra que no início deste post nós dissemos que o Chris Rock utiliza essa mesma abordagem?

Então vamos contar a história dele que está no livro Little Bets do Peter Sims.

Quando o Chris começa a trabalhar em um novo show, ele vai a pequenos eventos, sem ninguém saber com antecedência. Ele procura lugares com 50 pessoas na plateia, onde ele pode testar as suas ideias para o próximo show.

E ele faz isso pelo menos umas 50 vezes, antes de preparar seu próximo show.

Agora imagine a cena. O lugar é pequeno. Quando as pessoas percebem que é o Chris Rock que está lá, começam os cochichos e todo mundo fica na maior expectativa.

Mas acontece que nessas ocasiões o Chris não está com o seu “ modo comediante de sucesso” ligado. Ele não usa as mesmas roupas do show, nem as mesmas entonações de voz e nem gesticula e faz as mesmas caras que faz nos shows.

Ele está lá para testar suas ideias, com um bloco de notas na mão, quase que conversando com a plateia.

Não é raro ele errar a piada ou esquecer de alguma parte e ter que consultar o seu bloco de notas no meio da piada. É desconcertante.

Muitos se decepcionam com a sua performance, enquanto a maioria ri dele, ao invés de rir com ele.

Outros ficam com pena desse processo doloroso que dura uns 45 minutos.

Muitas das piadas que o Chris acreditava que seriam um sucesso, não dão em nada, apresentação após apresentação. Aí ele desiste dessa ideia.

E tem aquelas que ele não achava serem legais, mas são um sucesso absoluto.

Para construir o seu show de 1 hora, o Chris (e a maioria dos comediantes bem sucedidos) demoram entre 6 meses a 1 ano!

Nesse período o Chris testa centenas, ou milhares, de ideias iniciais, fazendo apresentações diárias, 5 a 7 vezes por semana!

E a maioria dessas ideias não passa pelo teste e fica só nisso, no mundo das ideias.

As pessoas ficam admiradas que um profissional como o Chris Rock, que fatura milhões, se sujeite a esse processo.

Mas ele sabe que uma ideia não nasce pronta.

É o resultado de muita tentativa e erro, muito esforço e dedicação!

E quando chega a hora do show, as ideias que foram modificadas e testadas à exaustão!

Ou seja, as ideias já deram certo. Aí é só faturar.

É isso que nós fazemos aqui na XperienZ, é isso que ensinas e é isso que tem dado certo.

Se você fizer estas coisas, com certeza as suas chances de sucesso ao transformar uma ideia em um produto ou serviço vão aumentar muito!

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *